Recuperação do mercado imobiliário permite aumento nas vendas de apartamentos e melhora a confiança no setor

O segmento imobiliário vem passando por uma recessão nos últimos anos, mas tem mostrado sinais de recuperação nos últimos meses, com alta de unidades vendidas em agosto de 2016 e um maior número de lançamentos.

Índices de vendas de imóveis mostraram a primeira alta em mais de um ano no mês de agosto, o que acompanhou um aumento do valor do metro quadrado. Apesar desse crescimento ainda ser inferior à inflação, em termos absolutos, é o melhor resultado registrado nos últimos meses. O crescimento foi de 0,38%, no acumulado entre janeiro e outubro de 2016 e, nos últimos doze meses, o crescimento foi de 0,33%, segundo pesquisa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A retomada da confiança no setor, tanto de consumidores que desejam realizar o sonho da casa ou apartamento próprio, quanto dos investidores, acompanha um momento de maior disponibilização de crédito e financiamentos imobiliários, além de um arrefecimento da crise e a perspectiva de queda de juros. A Selic baixou para 14% em outubro. Assim, esse é um contexto favorável também para novos investimentos no segmento imobiliário.

Para o consumidor, começam a surgir várias possibilidades de aquisição de crédito para compra do apartamento próprio, com a maior disponibilização de linhas alternativas e programas de financiamento de diversas instituições financeiras, para além dos bancos públicos, com diferentes condições e mais flexibilidade. Já para as construtoras, que podem esbarrar em financiamentos mais restritivos, a opção da securitização pode ser uma alternativa de financiamento interessante. Nesse caso, os contratos de financiamento com o pagamento futuro, podem ser utilizados para conseguir mais dinheiro com investidores, permitindo o adiantamento das parcelas e estimulando o desenvolvimento de novos empreendimentos, movimentando o mercado.

 

Lançamentos para vários segmentos

De olho nesse reaquecimento e nos indícios de recuperação, muitas construtoras mantém um ritmo intenso de lançamentos voltados para diferentes mercados. Os lançamentos de imóveis de alto padrão têm se mantido rentáveis, mesmo em tempos de crise, pois podem oferecer retorno mais rapidamente, pois suas aquisições não dependem necessariamente de financiamento, pois são voltados para um público de maior poder aquisitivo que mantém o volume de consumo e os hábitos de compra, impulsionando o setor, mesmo quando há retração de outros segmentos.

Existe hoje, no Brasil, um déficit habitacional que gira em torno de 7 milhões de moradias, que tende a crescer diante do aumento da população. De acordo com estatísticas do setor, seria necessário construir mais 400 mil novas unidades todos os anos, além do que já está produzido, sem contabilizar o déficit já existente. Ou seja, independente da crise e das baixas vendas, o mercado imobiliário permanece sendo um importante pólo de investimentos no país.

Fonte: JE ONLINE

voltar